com cola de maresia

anguarestou diante do mar, em silêncio. que o vento frio me bagunce os cabelos e me arrepie a base do pescoço, era tudo de que eu andava precisando. estar sozinha um pouco, diante das imensidões. não é sempre isso, a vida: uma solidão gigantesca diante das coisas muito grandes e sem entendimento? sinto que sim. pressinto. pré-sinto. e sinto durante, e após, e enquanto a vida me escorre por dentro, a preencher, a transformar. para mim, é como tem sido. solitariamente, de pés sempre descalços. sempre desnuda. embora haja encontro também, e seja uma parte bonita da história a contar. e haja muito sentimento, e alegrias imensas para saborear. e calmaria. sim, há calmaria também. alguma. um enfeitamento de delicadezas, um desfiar de doçuras. a espuma vagarosa dos dias. vejam, até o mar mais bravio há de serenar de tempos em tempos. também faz parte. e do que estou sendo agora, por ora resta-me isso, resta-me assim: diante do mar, em silêncio; diante do mar, o silêncio. eu e o mar. eu, ao mar. eu, amar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s