da vida que ficou em minha vida

fazendaipanema-32quando as nossas impossibilidades se esbarram, é o que lateja em mim. dor aguda, mesmo. tenho vontade de fugir, de desaparecer. de ficar em silêncio. porque quero estender a mão e não consigo. e preciso tanto de um acolhimento que não encontro, de uma compreensão que não acontece. e fico sozinha, tão sozinha. sozinha comigo e com as minhas coisas que você não alcança, sozinha com tudo aquilo que não consigo dizer, sozinha com todo o desejo que me afoga o peito e não encontra palavra exata para ser entendido. sempre achei isso o mais tragicômico da vida, esse desencontro continuado, esse esticar-se para alcançar o outro sem no entando consegui-lo, esse revirar-se para caber em um molde do qual já se sabe antecipadamente que não: não serve, não alcança, não é. o que fazer, então? continuar, penso. rasgar o molde, e fazer a vida acontecer sem etiquetas. exagerar para fora de todos os tamanhos possíveis, para então descobrir uma coisa nova – uma coisa qualquer que não seja eu e não sejas tu e de algum modo, seja algo de mim e algo de ti. um lugar desconhecido onde possamos nos encontrar e rir-nos ruidosamente do que antes não era possível, despidos dos descaminhos anteriores, nutridos de uma esperança teimosa, sorridentes de uma ingenuidade qualquer, da criança desembrulhando o laço do presente na manhã de natal. que sejamos presente: eu, e tu. que sejamos o laço de fita. e a vida. e o que há de mais bonito para ser desembrulhado diante dos olhos. os meus, os teus. os nossos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s